Covid-19: CNT pede reembolso de passagens e proibição de moedas

O objetivo da entidade é reduzir os danos econômicos no setor devido ao coronavírus

atualizado 19/03/2020 16:53

O presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT), Vander Costa, enviou um ofício a presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), com sugestões de medidas para evitar danos gerados pelo coronavírus.

Entre estas, está a devolução, em 12 meses, do valor das passagens aéreas canceladas pelos clientes, e a proibição do uso de moedas e dinheiro em espécie nas tarifas de transporte, para evitar a propagação do Covid-19.

O documento foi enviado ao Palácio do Planalto nesta quinta-feira (19/03). Para a entidade, as ação são necessárias para diminuir os impactos econômicos no setor.

Um dia anterior à entrega do ofício, o governo decretou que empresas aéreas devem reembolsar os clientes que cancelarem passagens por medo do coronavírus. A Medida Provisória foi publicada nesta quinta-feira (19/03). Porém, na visão da Confederação, a ação pode prejudicar economicamente o setor.

Além destas exigências, a entidade pede a prorrogação do pagamento do INSS sobre o faturamento das empresas operadoras; a fiscalização no preço do diesel; e a postergação no prazo de pagamento de impostos.

Uma notificação também foi enviada aos ministros da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, pedindo prioridade aos motoristas profissionais na campanha de vacinação contra o vírus da influenza.

Mais lidas
Últimas notícias