“Governo e Covid lado a lado contra o país”, diz OAB sobre omissão de dados

Presidente nacional da entidade afirma que mudanças na divulgação de informações representam "ocultação proposital, injustificada e danosa"

atualizado 08/06/2020 17:22

redes sociais/ reprodução

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, afirmou na tarde desta segunda-feira (08/06) que a entidade irá ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra a “omissão de dados” sobre a pandemia por parte do governo federal.

“A OAB irá ao STF contra a omissão de dados sobre a pandemia por parte do governo federal. É uma ocultação proposital, injustificada e danosa. Os dados estão sendo manipulados diariamente para dificultar a interpretação. O governo e o Covid trabalhando lado a lado contra o país”, escreveu Felipe Santa Cruz no Twitter.

O Ministério da Saúde explicou, nesta segunda-feira (08/06), a confusão com os números divulgados sobre o novo coronavírus ocorrida no domingo (07/06). A pasta liberou duas informações, bastante diferentes, com a quantidade de mortes.

Segundo o governo, o número inicial, de 1.382 óbitos, continha casos duplicados. A informação verdadeira seria que foram 525 mortes, segundo a pasta.

0

Rodrigo Maia

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também criticou nesta segunda-feira (08/06) o Ministério da Saúde pelas mudanças feitas na divulgação dos dados sobre a Covid-19 no Brasil.

“Brincar com a morte é perverso. Ao alterar os números, o Ministério da Saúde tapa o sol com a peneira. É urgente resgatar a credibilidade das estatísticas. Um ministério que tortura números cria um mundo paralelo para não enfrentar a realidade dos fatos”, postou Maia.

OMS

Durante coletiva na tarde desta segunda-feira (08/06), a Organização Mundial da Saúde (OMS) comentou a falta de transparência do governo brasileiro ao divulgar os dados atualizados da situação do novo coronavírus no país.

Mike Ryan, o diretor do programa de emergências da entidade, afirmou que as informações são importantes, principalmente, para os cidadãos.

 

Mais lidas
Últimas notícias