Após ataque de bolsonarista, pai de vítima da Covid-19 pede “compaixão”

Homem, que perdeu o filho de 25 anos pela doença, foi filmado reorganizando cruzes derrubadas em protesto por apoiador do governo

atualizado 11/06/2020 22:15

Protestos contra o coronavírus em CopacabanaTwitter/Reprodução

Pai de uma das vítimas da Covid-19, o homem filmado recolocando cruzes em um protesto da ONG Rio de Paz pelo combate mais efetivo ao novo coronavírus pediu compaixão e empatia pelos atingidos pela doença. Identificado como Márcio Antônio, ele perdeu o filho Hugo, de 25 anos, saudável e fora do grupo de risco, após o jovem ficar 16 dias internado.

“Gostaria, por favor, que as pessoas tivessem mais empatia e compaixão pelas pessoas, pelas vítimas”, disse ele ao jornal RJ2, da TV Globo. “Só queria dizer que a dor do pai é muito grande. É ter que conviver todos os dias com essa dor.”

Nesta quinta-feira (11/06), a ONG abriu 100 covas rasas na areia para simbolizar os mortos pelo coronavírus no país e pedir mais transparência do governo no combate à pandemia.

Manifestantes contrários e favoráveis ao governo Jair Bolsonaro (sem partido) entraram em confronto por causa do protesto: em determinado momento, um homem do grupo que defendia o presidente derruba as cruzes colocadas na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro (RJ), e discute com os membros da ONG.

Márcio Antônio foi, na sequência, filmado recolocando as cruzes e dizendo: “É palhaçada sim [o ataque do homem às cruzes], respeita os outros”, diz.

Últimas notícias