Coronavírus: Dilma critica fala de Eduardo Bolsonaro sobre China

Ex-presidente classificou declaração de que governo chinês era culpado pelo coronavírus como "injusta, absurda e subalterna"

atualizado 19/03/2020 11:18

Divulgação

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) rebateu as críticas do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que acusou o governo chinês de espalhar o coronavírus pelo mundo. Pelo Twitter, a petista classificou a fala do filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) como “injusta, absurda e subalterna do subserviente e frustrado candidato a embaixador nos EUA”.

“A iniciativa da China de enviar à Itália médicos, materiais e equipamentos é um exemplo de relação solidária entre nações civilizadas”, elogiou a ex-presidente. Eduardo chegou a ser cotado para o mais importante cargo diplomático do Brasil, a embaixada do país nos Estados Unidos, mas recuou após a repercussão negativa.

Na quarta-feira (18/03), ele resolveu ir às redes sociais para dizer que a “ditadura chinesa preferiu esconder algo grave a expor tendo desgaste”. Para o parlamentar, a “culpa é da China e liberdade seria a solução” — Eduardo fez as declarações compartilhando post de um seguidor que dizia que o Partido Comunista Chinês representa “nome e sobrenome” da pandemia.

A acusação gerou reação imediata. O embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, exigiu uma retratação: “A parte Chinesa repudia veementemente suas palavras, e exige que as retire imediatamente e peça uma desculpa ao povo chinês”, escreveu ele.

O diplomata chegou a dizer que o deputado contraiu “vírus mental” durante a viagem presidencial aos Estados Unidos no início do mês que já resultou em 17 infectados pela Covid-19, doença causada pela novo vírus.

Ainda no início da madrugada, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também se desculpou pelas “palavras irrefletidas” de Eduardo.

“A atitude não condiz com a importância da parceria estratégica Brasil-China e com os ritos da diplomacia. Em nome de meus colegas, reitero os laços de fraternidade entre nossos dois países. Torço para que, em breve, possamos sair da atual crise ainda mais fortes”, declarou.

O ex-ministro da Economia e ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) também criticou o episódio, pedindo inclusive a cassação do mandato de Eduardo, que chamou de “marginal”: “E que a grande Nação Chinesa nos desculpe aos brasileiros que, por imensa maioria, estamos cobertos de vergonha pelo que esta família de irresponsáveis, deslumbrados e vendidos, tem feito”.

Últimas notícias