172.16.1.217 ip-172-16-1-217 hom.metropoles.com Crianças, essas criaturas nojentas – Metrópoles

Crianças, essas criaturas nojentas

Eles ainda estão em processo de aprendizagem no que diz respeito à higiene, mas mesmo assim, tem muito comportamento que desperta nojinho

iStock iStock

atualizado 21/09/2018 10:05

Antes de virar mãe ou pai, a gente se organiza para várias coisas. Privação de sono, momentos de angústia, alegria, orgulho e hesitação. Não nos preparamos, porém, para lidar com as nojeiras dos nossos filhos. E não estou falando de fralda suja ou coisas afins, mas dos comportamentos deles na infância, tais como:

– Não se importar com as mãos sujas
Eles podem ter brincado no chão a tarde toda, ficando com metade da areia do parquinho retida embaixo das unhas, mas pouco importa. Se você não mandar lavar as mãos, são capazes de ficar assim indefinidamente – e usando as mãozinhas para encostar em todas as coisas limpas da casa.

– Resgatar e comer aquela peta perdida embaixo do sofá
Como caçadores de tesouros, meus filhos, volta e meia, encontram preciosidades escondidas em cantos obscuros da casa. Quando se trata de comida, ninguém se faz de rogado e, a despeito dos meus apelos de “não come isso, está cheio de poeira”, eles mandam para dentro. O mesmo acontece quando se deparam com resto de pipoca doce dentro do carro.

– Colocar pedaços de brinquedo na boca
Instinto que vem da época em que eram bebezinhos e ainda não está completamente eliminado. Não sei exatamente qual é a graça – se fazem de conta que é um aparelho dental, um chiclete ou se simplesmente estão curtindo experimentar novas texturas. Toda vez em que vejo, conto a história da filha de uma amiga que engoliu uma moeda e foi parar no hospital. Mas o drama – verdadeiro! – ainda não foi capaz de gerar o efeito esperado.

– Tomar a água direto do chão do box
Eu fico louca com essa. Se estão tomando banho e o silêncio impera, pode ter certeza que, das duas, uma: ou abriram um pote de shampoo ou estão ambos deitados no chão do box tomando a água do chuveiro. Eu já tentei dizer que isso é nojento, o piso é cheio de bactérias, mas eles ficam querendo enxergar as tais bactérias.

– Falar de cocô, xixi e pum o tempo todo
Eu sei que faz parte da fase anal – que o mais velho vive a pleno vapor e o mais novo repete como um papagaio – mas, mesmo assim, enche o saco ouvir o tempo todo sobre cocozão e pum fedorendo.

Isso porque ninguém come meleca. Ainda.