Observadora do cenário político do DF, lança luz nos bastidores do poder na capital.

Auxílio ao transporte escolar: GDF diz que pagará 1ª parcela ainda este mês

O benefício de R$ 1,2 mil será concedido por dois meses, mas pode ter prorrogação por mais um. Tem direito quem está cadastrado no Detran

atualizado 12/06/2020 17:04

Transporte escolarHUGO BARRETO/METRÓPOLES

O Governo do Distrito Federal (GDF) informou, nesta sexta-feira (12/06), que pagará ainda no mês de junho a primeira parcela do auxílio financeiro aos motoristas de transporte coletivo escolar e de turismo. Serão concedidas duas cotas de R$ 1,2 mil, cada.

A segunda parte deve chegar aos profissionais da categoria em julho. Ainda há possibilidade de ser paga uma terceira parcela, em agosto, mas isso depende de avaliação do governo local.

O pagamento poderá ser feito por cartão ou débito em conta. A forma como se dará a transferência do dinheiro, segundo o GDF, ainda será definida pela Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob) junto ao Banco de Brasília (BRB), agente financeiro do programa.

Regras

A lei que institui o benefício em meio à pandemia do novo coronavírus foi sancionada. O texto está publicado em edição extra do Diário Oficial do DF (DODF) de quinta-feira (11/06).

O benefício será pago com recursos economizados pela Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) referentes à verba indenizatória e custeio.

Para ter acesso ao auxílio financeiro, os proprietários de ônibus, micro-ônibus e outros veículos destinados ao transporte coletivo escolar e de turismo que prestam serviço mediante concessão ou permissão do Poder Público precisam estar devidamente cadastrados no Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF).

Também é preciso estar regular no Cadastro de Permissionários/Concessionários da Semob. O benefício independe de requerimento ou ato concessivo e será pago de acordo com essa base de dados.

O Detran-DF disse ao Metrópoles que há 1.618 motoristas do transporte escolar com cadastro em dia. O investimento previsto para três parcelas é de R$ 6 milhões.

Os trabalhadores beneficiados estão parados desde o dia 11 de março, quando as escolas públicas e privadas do Distrito Federal foram fechadas, em função da pandemia do novo coronavírus.

0

Últimas notícias