Observadora do cenário político do DF, lança luz nos bastidores do poder na capital.

Hospital de Campanha do Mané Garrincha tem 80 internados. Ocupação é de 40%

A unidade foi inaugurada em 22 de maio com a tarefa de aliviar os hospitais para tratamento de pessoas com a Covid-19 em estado crítico

atualizado 12/06/2020 12:35

Hospital de CampanhaIGO ESTRELA/METRÓPOLES

O Hospital de Campanha montado no Estádio Nacional Mané Garrincha tem, nesta sexta-feira (12/06), taxa de ocupação de 40,6%. A unidade provisória é destinada para pacientes com coronavírus.

Há 80 pessoas internadas no local, segundo informações do Governo do Distrito Federal (GDF) as quais a coluna Grande Angular teve acesso. O espaço tem 197 leitos.

No total, 43 profissionais de saúde trabalham no Hospital de Campanha, que tem aliviado centros para tratamento dos doentes em situação mais crítica. Até a manhã desta sexta-feira, 79 pessoas receberam alta da unidade.

Na quinta-feira (11/06), 30 pacientes foram transferidos do Hospital Regional da Asa Norte (Hran) para o Hospital de Campanha. A remoção teve como objetivo liberar leitos no Hran para pacientes com quadro clínico de maior complexidade, segundo o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF), que participou da operação.

O Hospital de Campanha foi inaugurado em 22 de maio para acolher pessoas com quadro considerado moderado, já passaram pelo período crítico da doença, mas não podem ir para casa ainda.

0

Apuração

Os órgãos de fiscalização apuram denúncias sobre contratos firmados durante a situação de emergência declarada diante da pandemia do novo coronavírus. A Polícia Civil do DF e o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), por exemplo, investigam supostas irregularidades na contratação, por R$ 79 milhões, de empresa para gestão do Hospital de Campanha. A suspeita é de direcionamento no processo.

A Secretaria de Saúde disse que colabora com as autoridades e que preza pela transparência e lisura dos processos de compras e contratações, tanto nos casos regulares, quanto nos emergenciais.

Últimas notícias