Os bastidores das notícias, e os principais personagens, que movimentam a política do Distrito Federal

Distritais se reúnem com Parente após boicote à nomeação do secretário

Reunião ocorreu em Águas Claras e serviu para bancada distrital distensionar relação com o atual titular da pasta de Educação no DF

atualizado 02/01/2019 22:03

Material cedido ao Metrópoles

Pouco antes da primeira reunião do secretariado do governo Ibaneis Rocha (MDB), 11 deputados distritais estiveram reunidos, nesta quarta-feira (2/1), na Residência Oficial de Águas Claras, com o novo secretário de Educação, Rafael Parente. Os políticos foram conversar com o integrante do Governo do Distrito Federal sobre críticas feitas a ele nos últimos dias, em especial por ser contrário ao projeto Escola sem Partido.

A intenção do grupo foi distensionar a relação com o titular da pasta, alvo de protestos, principalmente por parte da bancada evangélica. Segundo a deputada federal eleita Paula Belmonte (PPS), responsável por intermediar a reunião, a pauta de discussão deve sair da questão ideológica. “Áreas como transporte escolar e merenda trazem impactos para a rotina de crianças e jovens. Devemos estar de olho naquilo que pode atrapalhar o desempenho dos estudantes”, disse a parlamentar.

“Foi um encontro muito proveitoso”, resumiu o secretário à coluna. De acordo com ele, durante o fim da manhã desta quarta, os projetos aprovados pelo governador puderam ser apresentados aos deputados distritais.

Um dos distritais presentes, Leandro Grass (Rede) afirmou que o encontro serviu para o secretário apresentar o diagnóstico da área e as soluções para os problemas. “O mais importante foi a abertura para que os parlamentares apresentassem ideias e, com isso, se criasse uma linha de colaboração entre os dois Poderes”, disse ao Metrópoles.

Deputado da bancada evangélica e apoiador da iniciativa, Rodrigo Delmasso (PRB), afirmou que o secretário apresentou dentro do seus compromissos a elaboração de uma metodologia que vai evitar a “doutrinação”: “Acredito que esta atitude já demonstrou que não utilizará a cadeira de secretário para implantar aquilo que o Brasil nas urnas rejeitou”, disse.

Últimas notícias
Mais lidas