Deixe os tabus do lado de fora e pode entrar. Tudo sobre sexo, para você gozar a vida.

Deite e relaxe: massagem pode ajudar a resolver problemas sexuais

Pressões em pontos específicos podem ajudar a combater frigidez, ejaculação precoce, impotência ou dificuldades de ereção

atualizado 27/04/2019 16:28

Pixabay/Divulgação

Além de relaxar o corpo ou excitar o parceiro, a massagem pode resolver algumas dificuldades e problemas que impedem as pessoas de desfrutar uma sexualidade completa. É o que defende Alicia Gallotti, referência internacional em temas vinculados ao erotismo.

O assunto já foi estudado por culturas orientais (como a hindu, chinesa e japonesa, entre outras) e pode ser adaptado aos costumes ocidentais. A coluna separou as técnicas mais eficientes, segundo Alicia, para resolver questões como ejaculação precoce, indiferença sexual e impotência.

Em primeiro lugar, é importante ressaltar que qualquer um pode fazer a massagem, seguindo as instruções práticas. Contudo, não é recomendado que se faça em mulheres grávidas ou menstruadas, nem em indivíduos em estado febril ou com doenças crônicas. Outras recomendações são despir completamente a pessoa e aguardar duas horas após o procedimento para comer e beber.

De acordo com Alicia, a forma de massagear não difere das técnicas eróticas de excitação, mas os pontos a serem pressionados variam. Ela indica usar os movimentos de pressão, apertando a região com a ponta dos dedos (para os mais leves) ou com polegares, base e palma da mão (para os mais energéticos).

O movimento deve ser realizado de fora para o centro do ponto, seguindo a circulação das veias ou a trajetória das fibras musculares. A escritora revela que a eficiência da técnica depende da atitude de quem a realiza.

Frigidez feminina
Por conta de experiências desagradáveis ou traumas, algumas mulheres desenvolvem indiferença sexual. Para estimular a libido feminina, o recomendado é começar com uma pressão ligeira no ponto a dois centímetros acima do osso do tornozelo, na parte de trás da tíbia, por aproximadamente três minutos. A ação deve ser repetida em ambas as pernas.

O intuito é ativar a energia dos genitais femininos, mas Alicia ressalta que o sucesso depende da sensibilidade da pessoa. Esfregar abaixo da protuberância do joelho e massagear o osso abaixo da cintura também podem ajudar na situação.

Indiferença sexual masculina
O estresse e uma rotina exaustiva podem diminuir a libido masculina. Para estimular o parceiro, atice o ponto do peito do pé a dois centímetros dos espaços entre o dedão e o segundo dedo. Massageie com o polegar, com bastante pressão, por um minuto. Depois esfregue a parte inferior das pontas dos dedos. Outra alternativa é massagear a dobra do pulso, entre os dois tendões, antes de repetir a massagem no pé.

Impotência ou dificuldades de ereção
Para impotência, leve a mão ao ponto abaixo no umbigo e pressione-o com o indicador e o dedo médio, puxando a pele para todos os lados. Depois, pressione o ponto a dois centímetros acima do osso do tornozelo, na parte de trás da tíbia. Vale ressaltar que a massagem só serve em casos relacionados a motivos psicológicos.

Para dificuldades de ereção, coloque o dedo médio direito da mão do massageado na planta do pé esquerdo do massageador. Nesse caso, não pressione, apenas mantenha contato por algum tempo antes de dar início às preliminares. Aplicar uma leve pressão na lombar e entre a cintura e o osso na base da coluna também é estimulante.

Alicia afirma ainda que a massagem nos homens se torna mais eficaz se for acompanhada com carícias nas zonas erógenas.

Ejaculação precoce
Para vencer o receio de não satisfazer a outra metade, é preciso controlar a ansiedade e se entregar à massagem. O parceiro deve aplicar uma pressão intensa seguida de leve (similar ao movimento realizado pelos médicos durante uma parada cardíaca) entre o osso sacro (no final da lombar) e o epigástrio (na parte média superior da parede abdominal).

Uma opção mais simples é pressionar com os dedos indicador e médio o ponto entre a segunda e a terceira vértebra lombar.

Mais lidas
Últimas notícias