Aos cinco anos, FreeCô se transforma em item essencial para a casa dos brasileiros

FreeCô, o primeiro bloqueador de odores sanitários do Brasil, se tornou um item importante no país ainda que em pouco tempo

atualizado 08/09/2020 17:41

Falar sobre o “número 2” e vender um produto que bloqueia o mau cheiro das idas ao banheiro pode parecer difícil, mas o FreeCô, primeiro bloqueador de odores sanitários do país, não só conseguiu como se transformou em item essencial para a casa dos brasileiros. A empresa completa cinco anos em 2020 e projeta faturamento de R$ 40 milhões. Apenas em junho, as vendas foram 25% superiores em relação a maio. Só o Free Wipes, lenços umedecidos antissépticos que substituem o álcool em gel durante a pandemia de covid-19, cresceu 30.000% nos últimos quatro meses.

“O próprio segmento e a naturalidade para abordar o assunto mudaram muito. Hoje vemos diversas pessoas e celebridades falando com humor. Além disso, diversas marcas concorrentes estão entrando no mercado, o que mostra que a categoria se tornou uma necessidade para muitas famílias”, afirma Rafael Nasser, sócio-fundador da FreeCô.

Muita gente fica constrangida, mas o fato é que ir ao banheiro é uma atitude natural a todos os seres humanos. Falar sobre o “número 2” e vender um produto que bloqueia o mau cheiro não é fácil, mas o FreeCô, primeiro bloqueador de odores sanitários do país, mostra que é possível colocar o tema como essencial na casa dos brasileiros.

A empresa completa cinco anos em 2020 com um desempenho impressionante. O faturamento esperado para este ano é de R$ 40 milhões. Em junho de 2020, conseguiu aumentar 25% a venda dos produtos na comparação com maio – que, já tinha sido 13% superior em relação a abril.

As vendas também são positivas em relação ao Free Wipes, lenços umedecidos antissépticos. Lançado oficialmente em 2019, o produto tinha uma média de 10 mil unidades vendidas por mês até fevereiro de 2020. Agora, por ser um substituto adequado ao álcool em gel, a demanda entre março e maio foi de 3 milhões de unidades.

É uma realidade bem diferente do início do projeto, no fim de 2014. Ele e Renato Radomysler trabalhavam no mercado de essências e aromatização de ambientes quando tiveram a ideia de um produto que bloqueasse o mau cheiro das idas ao banheiro. Após pesquisa de mercado com 40 clientes, perceberam que havia demanda, mas também um grande tabu para falar sobre o tema.

Dessa forma, a comunicação sobre o produto revelou-se o principal obstáculo. Era preciso investir em campanhas de marketing, e a estratégia consistiu em uma abordagem leve, com humor, e na aposta em influencers para posicionar o tema. Em 2015, iniciou a venda em uma farmácia on-line parceira e levou mais de um ano para chegar ao varejo.

Mas desde então a FreeCô está ampliando a participação no segmento de higiene pessoal. Além do Free Wipes, lançou novas fragrâncias, como tutti-frutti e lavanda, e formatos, como o pocket (15 ml) e o Pro (500 ml) para espaços corporativos. Além disso, há projetos em desenvolvimento que incluem desde desodorantes bucais até protetores labiais e produtos que aliviam coceira de picadas de inseto.

“O objetivo a longo prazo é fazer com que o FreeCô se torne um item presente na casa da maioria dos brasileiros, com produtos e soluções que resolvem problemas que atingem praticamente todas as pessoas”, conclui o executivo.

Últimas notícias