Vídeos: após ameaçar Ibaneis, bolsonarista Renan Sena é liberado pela PCDF

Renan responderá a processo por injúria e difamação. Ele soltou fogos no STF e fez declarações em tom de violência contra o governador

atualizado 15/06/2020 9:27

Renan da Silva Sena em manifestação pró-bolsonaroReprodução

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) liberou o bolsonarista Renan Sena (foto em destaque), preso neste domingo (14/06), suspeito de soltar fogos de artifício no Supremo Tribunal Federal (STF) e ameaçar o governador Ibaneis Rocha (MDB) em vídeos que circularam no WhatsApp após a retirada de acampamentos a favor do presidente da República, Jair Bolsonaro, da Esplanada dos Ministérios.

Confira o vídeo do ataque ao STF no sábado (13/06):

Sena, 57 anos, foi preso por volta das 18h, no Setor de Indústrias Gráficas (SIG), e liberado às 22h30 da Delegacia Especial de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC), localizada no Departamento de Polícia Especializada (DPE). Ele pagou fiança de R$ 1,5 mil e assinou um termo de comparecimento à Justiça. Vai responder por injúria e calúnia.

Renan Sena também  é acusado de agredir enfermeiras em manifestação na Praça dos Três Poderes, em 1° de maio. Em depoimento, o bolsonarista negou ter feito ameaças ao governador Ibaneis Rocha.

Vídeo em que Renan Sena agride enfermeiras no feriado de 1º de maio:

A DRCC fará investigação virtual para desarticular o grupo de Sena. Em outra linha, o Ministério Público Federal (MPF) determinou a abertura de inquérito, neste domingo (14/06), para investigar o lançamento de fogos de artifício em direção ao prédio do STF na noite do último sábado (13/06). O ato foi comandado por um grupo de apoiadores de Bolsonaro, chamado de 300 do Brasil. Ocorreu após a retirada do acampamento dos apoiadores do presidente da Esplanada.

O ataque foi repudiado duramente pelos ministros da Corte.

Últimas notícias