Convocar população para deixar isolamento é crime, alerta PCDF

Pratica o crime até mesmo os que incitam por meio de mensagens no celular e nas redes sociais

atualizado 11/04/2020 14:52

carro de somMirelle Pinheiro/Metrópoles

Carros de som começaram a circular as ruas do Distrito Federal com pessoas convocando os moradores a deixarem o isolamento social. A prática tem gerado reações adversas dos brasilienses. Além dos protestos contrários da população, a conduta pode resultar em autuações da polícia e multa. De acordo com a Polícia Civil do DF (PCDF), o caso se enquadra em incitação ao crime, que tem pena de detenção, de três a seis meses, ou multa.

O delegado Jorge Teixeira explica que pratica o crime até mesmo os que incitam por meio de mensagens no celular e nas redes sociais.

“Existe um crime previsto do Código Penal com pena de até um ano de prisão para quem desrespeitar a quarentena preventiva. Nessa mesma linha, existe outro que é de incitação ao crime e prevê uma pena de até seis meses de prisão a quem incitar por qualquer motivo a população a descumprir o isolamento e sair às ruas”, contou.

“Além do carro de som, incorre na mesma pratica quem propaga a mensagem por redes sociais e celular. Fica o alerta da PCDF. Não cometa esses crimes. Se preserve, tome cuidado e vamos fazer a nossa parte”, acrescentou o delegado.

Dados
Uma pesquisa da empresa de software In Loco constatou que aumentou o número de brasilienses que furam o isolamento. O mecanismo usa programa de georreferência para fazer a estatística.

O Distrito Federal, que liderava o ranking das regiões nas quais as pessoas mais respeitam o isolamento social, foi para segundo lugar nessa quinta-feira (09/04). Agora, está com 53,1% e atrás de Goiás (54,17%). Segundo os especialistas a taxa ideal é de 70%.

O Distrito Federal tem 14 mortes por coronavírus, informou o GDF na tarde dessa sexta-feira (10/04). Há 576 casos de Covid-19 na capital do país,17 em estado grave.

Carro de som
Manifestantes fizeram um ato neste sábado (11/04) a favor do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), e da abertura do comércio em meio à pandemia do coronavírus.

Em um trio elétrico, o grupo circulou por regiões do DF, como Águas Claras, e discursou contra as medidas de isolamento social tomadas na capital do país e em estados. “Nós queremos trabalhar”, disse um dos homens no microfone.

“A população do DF nasceu para o trabalho. Sempre foi assim”, afirmou outro. “Vamos lutar contra essas pessoas que não querem trabalhar, querem ficar em casa”, acrescentou.

A “carreata” foi convocada pelas redes sociais. Moradores bateram panelas e buzinaram em reação à manifestação. Esta semana, uma mulher também saiu nas ruas de Águas Claras para pedir que as pessoas furassem o isolamento social.

O governador Ibaneis Rocha (MDB) decretou o fechamento do comércio, com exceções, até 3 de maio para evitar a proliferação do cornavírus no DFO governo também estendeu o fechamento dos estabelecimentos educacionais (escolas e faculdades) até o dia 31 de maio.

Confira:

 

Últimas notícias