Mulher detida ao tentar impedir prisão de bolsonarista é servidora do TJDFT

Segundo as investigações, a analista judiciário tentou evitar que Renan Silva Sena fosse levado por agentes da PCDF

atualizado 15/06/2020 19:29

A mulher detida na tarde de domingo (14/06) por tentar impedir a prisão do bolsonarista Renan Silva Sena é analista judiciário do Tribunal de Justiça do DF e dos Territórios (TJDFT).

Segundo a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), ela era a motorista do Pálio branco no qual Renan estava no banco de passageiro.

O ativista de 57 anos, ex-funcionário terceirizado do Ministério da Mulher, Família e Direitos humanos, é suspeito de soltar fogos de artifício no Supremo Tribunal Federal (STF) e ameaçar o governador Ibaneis Rocha (MDB), entre outras autoridades, em vídeos que circularam no WhatsApp, após a retirada de acampamentos a favor do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), da Esplanada dos Ministérios.

Durante a ação da Delegacia Especial de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC), a motorista arrancou com o carro, entrou na contramão e arrastou um policial por alguns metros, segundo consta na ocorrência.

Confira o vídeo do ataque ao STF no sábado (13/06):

Quando a servidora parou o carro, os policiais conseguiram retirar Sena do veículo e conduzi-lo à delegacia. A motorista, no entanto, começou a seguir a viatura, mesmo com todos os avisos de que se tratava da Polícia Civil.

Durante o trajeto, a condutora expôs outros condutores ao risco e entrou na contramão por diversas vezes. Já no complexo da PCDF, ao lado do Parque da Cidade, a mulher, não identificada na ocorrência, acelerou novamente o carro e colidiu na viatura dos policiais.

Segundo a corporação, ela não obedeceu aos comandos e estava exaltada. Resistiu fisicamente à abordagem sendo necessária a utilização de spray de pimenta “por cautela da integridade física dela e dos policiais”.​

A motorista foi detida, mas liberada após pagar fiança. Renan acabou liberado após assinar termo de comparecimento à Justiça.

A reportagem acionou o TJDFT para saber se providências administrativas serão tomadas, mas ainda não obteve resposta.

Enfermeiras

Renan Sena também é acusado de agredir enfermeiras em manifestação na Praça dos Três Poderes, em 1° de maio. Em depoimento, o bolsonarista negou ter feito ameaças ao governador Ibaneis Rocha.

Vídeo em que Renan Sena agride enfermeiras no feriado de 1º de maio:

 

A DRCC fará investigação virtual para desarticular o grupo de Sena. Em outra linha, o Ministério Público Federal (MPF) abriu inquérito, nesse domingo (14/06), para investigar o lançamento de fogos de artifício em direção ao prédio do STF. O ato foi comandado por um grupo de apoiadores de Bolsonaro, chamado de 300 do Brasil, e ocorreu após a retirada do acampamento dos apoiadores do presidente da Esplanada.

O ataque foi repudiado duramente pelos ministros da Corte.

Últimas notícias