Disney pode reavaliar estratégia de lançamentos de filmes após coronavírus

CEO da Disney, Bob Chapek, afirmou que alguns lançamentos do estúdio podem ir direto para a plataforma de streaming Disney +

atualizado 06/05/2020 13:40

Chesnot/Getty Images

Por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), a Disney pode lançar alguns de seus novos filmes diretamente na plataforma de streaming Disney +. Foi o que afirmou o CEO da empresa, Bob Chapek, nessa terça-feira (05/05). As informações são da revista Variety.

De acordo com a publicação, o CEO disse a analistas que a Disney acredita “muito no valor da experiência teatral em geral para grandes filmes de muito sucesso”, mas talvez seja necessário reavaliar suas estratégias de lançamento dos filmes.

“Também percebemos que, seja por causa da mudança e evolução da dinâmica do consumidor ou por causa de certas situações, como a Covid-19, podemos ter que fazer algumas alterações nessa estratégia geral, apenas porque os cinemas não estão abertos ou não estão abertos na medida em que precisa ser financeiramente viável”, disse Chapek.

Algumas das principais estreias da Disney neste primeiro semestre foram adiadas, como a live-action de Mulan, que chega ao Brasil em 23 de julho e o filme solo da Viúva Negra, que estreia no país em 29 de outubro. Além disso, a adaptação de Artemis Fowl foi lançado diretamente no streaming.

0
Caso a caso

De acordo com Chapek, a empresa vai “avaliar cada um dos filmes em uma situação caso a caso”, e a decisão de disponibilizar Artemis Fowl direto no streaming se deu ao “apelo demográfico” do longa.

Chapek ainda falou sobre a paralisação na produção dos filmes e programas de televisão da empresa do Mickey. Sem data prevista para retorno dessas atividades, o CEO afirmou que novas medidas de segurança entrarão em vigor.

“Não temos projeções de exatamente quando podemos fazer isso [voltar as gravações], mas seremos muito responsáveis em termos de máscaras e do mesmo tipo de procedimentos que esperamos implementar em nossos parques”, encerrou.

Mais lidas
Últimas notícias