Esporte e política se misturam em protestos no Brasil e no exterior

Manifestação marcada para este domingo (07/06) terá a presença de torcedores de clubes variados e que são contrários ao governo brasileiro

atualizado 07/06/2020 10:44

Protesto de torcedores a favor da democracia na Avenida PaulistaTwitter/Reprodução

A onda de protestos antifascistas que ocorreram em São Paulo no último fim de semana terá adesão também em Brasília. Neste domingo (07/06), a Esplanada dos Ministérios será palco de mais uma manifestação com o mesmo teor. A exemplo do que ocorreu na capital paulista, o movimento terá uma grande adesão de torcedores de futebol. Para entender a relação entre política e esporte no país, entretanto, é preciso entrar fundo em algumas questões.

A relação entre esportes e política é antiga. Em muitos regimes totalitários, por exemplo, o futebol é usado para dar ao país um ar de normalidade.  O cientista político Leandro Gabiati afirma que já há um movimento transversal às torcidas organizadas que supera rivalidades e une rivais numa luta contra o fascismo. Ele aponta ainda que, embora muitos jogadores apoiem o governo, é possível que haja uma mudança, mesmo que, para isso, seja necessário um importante fator.

Desde 2017, este tipo de ramificação das torcidas organizadas tem ganhado força no Brasil, acompanhando um movimento que já era comum na Europa, onde muitos países foram governados a mão de ferro por ditadores.

“Geralmente quem defende e apoia o governo, entende que o presidente é uma figura que chegou para mudar a forma de fazer política no Brasil, mas o ‘establishment’ lhe opõe resistência para manter privilégios e prebendas. Isso só poderá mudar se houver forte evidência material de que o presidente acabou sendo ‘mais do mesmo’”, ressalta Gabiati.

Sem o dedo das organizadas

Ao contrário do que se pensa, porém, o protesto deste domingo não terá a coordenação de torcidas organizadas. Membros dela, aliás, tratam de deixar claro que elas nada têm a ver com as ações que já ocorreram em São Paulo e devem ocorrer nacionalmente.

A preocupação para não se vincular a imagem das organizadas no protesto é tanta que a manifestação virou uma espécie de tabu entre os torcedores. Muitas das torcidas proibiram os membros de falarem de assuntos políticos publicamente. Desta forma, o que se vê é mais uma junção de pessoas com pensamentos semelhantes. Em condição de anonimato, um torcedor relembrou o movimento da Democracia Corinthiana para ressaltar os eventos recentes no Brasil.

“As opiniões podem ser diferentes. Mas o Corinthians daquela época mostrou que é possível lutar por aquilo que se acredita quando não se concorda com algo”, recordou.

O time paulista aliás, deve contar com representantes na manifestação deste domingo. Na semana passada, com palavras de ordem, torcedores de Corinthians e Santos se reuniram na Avenida Paulista para se manifestarem a favor da democracia.

Apesar de contar com aficionados de times variados, o que tornaria o ambiente propício para confusões e brigas, um torcedor afirmou que, neste domingo, as rivalidades das arquibancadas serão deixadas de lado durante o ato.

“Nesse momento, o único propósito é lutar contra o fascismo, contra esse governo ditatorial que não merece mais nenhum pingo de respeito. A prioridade única é pela democracia”, disparou, em condição de anonimato.

Nos Estados Unidos…

O caso recente do assassinato de George Floyd, um homem negro asfixiado por um policial branco, também gerou debate. Em meio a protestos diários em várias cidades como Nova York, esporte, política e outros assuntos podem, sim, estar intimamente ligados.

Muitos atletas, como o astro LeBron James, se posicionaram pedindo justiça. Por outro lado, Drew Brees, quarterback do New Orleans Saints, criticou quem, na visão dele, “desrespeitava a bandeira dos EUA ou o hino nacional” do país. A declaração repercutiu muito mal, especialmente com a comunidade negra. Isso porque Colin Kaepernick, outro conhecido quarterback da NFL, costumava se ajoelhar durante a execução do hino norte-americano. Era a forma do camisa 7 protestar contra a violência policial contra negros no país.

Outro torcedor, que também falou na condição de anonimato, afirma que é possível que protestos semelhantes no Brasil.

“O racismo sem dúvida é uma pauta muito forte no mundo inteiro. Com certeza o Miguel e o João Pedro, que morreram, que foram mortos recentemente pela elite branca racista brasileira deem a tônica dessa questão de não mais se naturalizar o racismo institucional no Brasil”, destacou.

 

Ver essa foto no Instagram

 

I would like to apologize to my friends, teammates, the City of New Orleans, the black community, NFL community and anyone I hurt with my comments yesterday. In speaking with some of you, it breaks my heart to know the pain I have caused. In an attempt to talk about respect, unity, and solidarity centered around the American flag and the national anthem, I made comments that were insensitive and completely missed the mark on the issues we are facing right now as a country. They lacked awareness and any type of compassion or empathy. Instead, those words have become divisive and hurtful and have misled people into believing that somehow I am an enemy. This could not be further from the truth, and is not an accurate reflection of my heart or my character. This is where I stand: I stand with the black community in the fight against systemic racial injustice and police brutality and support the creation of real policy change that will make a difference. I condemn the years of oppression that have taken place throughout our black communities and still exists today. I acknowledge that we as Americans, including myself, have not done enough to fight for that equality or to truly understand the struggles and plight of the black community. I recognize that I am part of the solution and can be a leader for the black community in this movement. I will never know what it’s like to be a black man or raise black children in America but I will work every day to put myself in those shoes and fight for what is right. I have ALWAYS been an ally, never an enemy. I am sick about the way my comments were perceived yesterday, but I take full responsibility and accountability. I recognize that I should do less talking and more listening…and when the black community is talking about their pain, we all need to listen. For that, I am very sorry and I ask your forgiveness.

Uma publicação compartilhada por Drew Brees (@drewbrees) em

A repercussão da fala de Brees foi tanta que o jogador não demorou a se desculpar. Segundo o jogador, ele não imaginava a dor que causaria em tantas pessoas.

0

Vídeos
Últimas notícias