172.16.1.217 ip-172-16-1-217 hom.metropoles.com O que fazer, onde ficar e os melhores restaurantes de Lima e arredores – Metrópoles
Avatar

As paisagens exuberantes e selvagens do Peru são talvez o aspecto mais conhecido do país. Mas ele também apresenta um lado moderno, vibrante e cosmopolita.

Comece esta jornada pela capital, Lima, a próxima sede dos Jogos Pan-Americanos, previstos para julho de 2019. A cidade é conhecida como la gris, a cinzenta, pois ali quase não chove.

Miraflores
é o bairro ideal para se hospedar. O endereço agitado reúne boas atrações turísticas, além de ser uma mão na roda para o viajante realizar tarefas cotidianas, tais como trocar dinheiro nas casas de câmbio e fazer compras, entre outras atividades.

Redes do porte de
Hilton
,
Belmond
e
JW Marriott
dividem espaço com os charmosos
Atemporal
,
Ife Boutique Hotel
e
Andesmar
. Há ainda opções em conta na rede
Ibis
, no
Suites Larco 656
e, no estilo bed and breakfast, na
La Casa del Viajero
e no
Inka Frog Exclusive
. Ainda mais econômicos são os hostels
Kaclla
,
The Healing Dog Hostel
e
Pariwana Hostel Lima
.

Conhecendo Miraflores

O Parque Kennedy
, pracinha arborizada no centro da vizinhança, é praticamente o ponto de partida de todos os passeios no bairro. Nas redondezas existem opções de
compras
para todos os gostos e bolsos. Quem deseja conhecer um pouco mais das tendências de moda locais deve passar na
Falabella
.

Essa loja de departamentos, presente também em outros países da América Latina, vende roupas de marcas variadas, algumas famosas, como em um outlet. O grupo investe também em selo próprio, a exemplo de uma coleção exclusiva desenhada por Karl Lagerfeld, ex-diretor criativo da luxuosa Chanel, falecido em fevereiro deste ano. No local, encontram-se ainda perfumes, eletrodomésticos, itens de decoração e mais.

Saindo dali, faça um lanche tipicamente limenho no
La Lucha Sangucheria Criolla
, especializado em sanduíches recheados no pão francês. Para beber, a pedida é a
chicha morada
, espécie de suco de milho fermentado, doce e com sabor de cravo e canela. Presente em 10 de 10 menus na cidade, ele se parece com o nosso brasileiríssimo quentão em versão não alcoólica e geladinha. Outras “bebidas típicas” do Peru, só que industrializadas, incluem a
Inka Cola
, refrigerante amarelo com gosto de tutti-frutti, e a cerveja
Cusqueña
. Ainda perto do Parque Kennedy fica a megaturística
Calle de Las Pizzas
, que, apesar do nome, serve de tudo em restaurantes com vocações diversas.

Quando a noite chegar, o esquenta para a balada começa na Calle Esperanza, onde fica o
Eka Bar
, com clima de pub. A ferveção continua no LGBTQ-friendly
Lolita Bar
.

Passeios à beira do Pacífico

O bairro de Miraflores desemboca praticamente no mar. E é ali, pertinho do
Oceano Pacífico
, que o turista terá uma das vistas mais legais da cidade.

Situado em uma falésia, o shopping
Larcomar
é parada obrigatória. Como em Lima não chove, não há problema em se passear no centro de compras, que não tem cobertura, apreciando a paisagem (e as vitrines também, pois ninguém é de ferro).

Logo ali, pertinho, fica outro local interessante ao ar livre. É o
Parque del Amor
, decorado com bancos ladrilhados, aparentemente evocando as criações de Gaudí no Parc Güell, em Barcelona, na Espanha. A enorme escultura O Beijo, trabalho do artista plástico Victor Délfin, é a grande atração.

Das redondezas saem os voos de
parapente
($ 260). A “revoada” dos destemidos aparamentados com seus planadores coloridos engrandece a paisagem.

Barranco, San Isidro e o Centro

Barranco
, colado com Miraflores, é outro endereço que merece ser conhecido. O centro da vizinhança lembra uma cidade pequena, daquelas com coreto e tudo mais. Só que, mesmo com essa bossa antiga, o bairro moderno conta com atrações fascinantes (e outras bem diferentes, tipo o Museu da Eletricidade).

Depois de visitar essa pracinha, prepare o fôlego e cruze a pequena
Ponte dos Suspiros
, trajeto de uns 40 metros. Segundo a lenda, deve-se fazer um pedido antes do percurso e passar segurando a respiração até o outro lado. Não custa tentar. Ai, se fosse em Cusco…

Na sequência, parece que um drinque no
Ayahuasca Restobar
recupera qualquer cidadão. Uma passadinha na
Dédalo
, loja com artigos de decoração de expositores locais e badulaques em geral, também ajuda.

Descendo pela
Bajada de Baños
, chega-se à beira do Oceano Pacífico. Porém, o clima não é daqueles de praia a que estamos acostumados (pelo menos, não em novembro). Contemplativa é uma palavra que descreve bem a visita por ali.

San Isidro
, localidade chique de Lima, assim como Barranco promove uma mistura do antigo e do contemporâneo. Em meio a prédios modernos, fica incrustado um pedaço da história da civilização peruana, a
Huaca Huallamarca
, cuja construção data aproximadamente do ano 200 antes de Cristo. É uma das duas ruínas que sobraram na capital (a outra é a
Huaca Pucllana
, em Miraflores). E mesmo sem nada a ver com o Brasil, ela também é conhecida pelo nome de um grande ponto turístico do nosso país: Pan de Azúcar (Pão de Açúcar). Dali vale esticar o passeio pelo distrito e curtir um dolce far niente no
Parque El Olivar
.

Dos pontos mais turísticos da capital peruana, o
Centro Histórico
fecha o passeio, desta vez com destaque para a arquitetura pós-colonização espanhola. Desça na
Plaza Mayor
e não deixe de registrar o
Palácio do Governo
, a
Catedral
e a
Basílica de São Francisco
, onde fica uma famosa catacumba aberta à visitação. No mais, o comércio efervescente, a comida de rua e o vai e vem de pessoas lembra outras grandes cidades do mundo. Ah, e assim como elas, também dá para testemunhar o show de algum Michael Jackson cover nas calçadas.

Miraflores em alta

Parque Kennedy

Visite o Parque Kennedy, bem no centro do bairro de Miraflores: há boas opções de compras e comida

Saga Falabella

Dê uma passadinha na Saga Falabella, megaloja que vende de tudo um pouco

La Lucha Sangucheria

Ao sair, é hora de experimentar a famosa chicha morada, ladeada por um lanche, no La Lucha Sangucheria Criolla

Shopping Larcomar

Caminhe até o Shopping Larcomar, situado em uma falésia à beira do Pacífico, rende fotos incríveis no mirante

Parque del Amor

Depois, complete o passeio indo até o Parque del Amor, onde os aventureiros saltam de parapente

mapa 1
mapa 2
mapa 3
mapa 4
mapa 5

Um pouco de conhecimento

Ainda falando em história, para entender um pouco mais sobre o Peru, bata ponto no
Museo Larco
. O acervo permanente, dividido por períodos e outros temas maiores, exibe artesanato, pinturas, esculturas e até mesmo adornos em ouro. Em uma das salas, na área externa, o erotismo é a temática. Este museu, fundado por Rafael Larco Hoyle aos 25 anos, em 1926, possui ainda um agradável jardim.

Pulando direto para o presente, o
Mate – Museo Mario Testino
, em Barranco, tem como destaque a fotografia de um dos peruanos mais ilustres do mundo. Famoso por seus cliques no universo da moda e das celebridades, Testino fundou a casa em 2012 – o local também sedia mostras de outros artistas.

Com a assinatura dele há um vasto arquivo sazonal. Pode-se encontrar Kim Kardashian West, Kate Moss, Lady Gaga e Gisele Bündchen em grandes painéis ou quadros pelos corredores. A princesa Diana mereceu espaço exclusivo. Explica-se: o artista registrou Lady Di oficialmente pela última vez, antes da morte dela, em 1997. No ambiente, além das imagens, já consideradas antológicas, expõe-se um dos vestidos usados na sessão, cortesia de Donatella Versace.

Explosão de sabores

Chegamos, finalmente, a um dos pontos indiscutivelmente mais esperados da visita ao Peru:
a gastronomia
. A culinária deles é rica em temperos, ingredientes locais e sabor. De fato, a comida transformou o país em referência mundial nesse ramo. Não à toa, duas casas sediadas em Lima figuram no respeitado top 10 da lista de 50 melhores restaurantes do mundo na publicação
The World’s Best Restaurants
.

O
Central
, número seis dessa lista, reverencia o território andino em um menu degustação que viaja pelas alturas, do fundo do mar ao topo das montanhas, em mais de 15 incursões (custa entre $ 568 e $ 592). Para conseguir aproveitar essa experiência culinária, é necessário planejamento: badaladíssimo, o restaurante, que trocou o bairro de Miraflores por Barranco recentemente, abre o período de reservas com quatro meses de antecedência.

Já o oitavo lugar do ranking da The World’s Best Restaurants é dedicado ao
Maido
, fusion que mistura, em receitas contemporâneas, a comida peruana à japonesa.

O Peru em três pratos básicos

O Peru em três pratos básicos

Se hoje o Peru destaca-se na gastronomia mundial, um dos responsáveis por essa ascensão – talvez o maior deles – é Gastón Acurio, principal representante desse mercado há mais de uma década. Chef do renomado
Astrid & Gastón
, ele mantém outros estabelecimentos no país, alguns com preços mais módicos.

O
La Mar Cebicheria
é um deles (e tem filial no Brasil, em São Paulo). O protagonista, como não poderia deixar de ser, é o ceviche, composto de peixe ou outros frutos do mar cozidos apenas no limão, mais cebola e temperos. Na casa, ele ganha pelo menos 13 versões, até mesmo uma vegetariana. Acurio também está por trás de outros estabelecimentos, como o chinês
Madam Tusan
, o contemporâneo
Tanta
e a hamburgueria
Papacho’s
– estes dois últimos com filiais no Larcomar, onde dividem espaço com uma ótima surpresa, o simpático
Popular de aquí y de allá
.

Ainda não tão conhecido como Acurio fora do Peru, mas um nome benquisto do mercado, é
Rafael Osterling
. Sob sua liderança, o
El Mercado
apresenta refeições completas em clima informal. O chef ainda comanda o
Felix Brasserie
e o
Rafael
, este último com unidade também em Bogotá, na Colômbia.

Em Barranco, uma sugestão infalível é almoço no
Amoramar
. Não deixe de abrir a refeição com o
chilcano
, drinque de pisco, suco de limão e ginger ale, um tipo de refrigerante feito com gengibre – na casa, ele ganha fórmulas certeiras com a ajuda de bitters e misturas próprias.

Bate-volta

Algumas viagens rápidas, de até dois dias, podem ser feitas saindo-se de Lima (a empresa de ônibus
Peru Hop
tem boas sugestões).
Paracas
, por exemplo, fica a 260 km da capital. Apesar de ter uma praia meio sem graça (ainda mais ao compará-la com o litoral brasileiro), o local é uma tranquila cidade de veraneio.

O grande barato por lá é embarcar em um barco de turismo para conhecer as
Islas Ballestas
, chamadas de mini-Galápagos, em referência ao monumental arquipélago equatorial. Os pedregulhos no oceano são habitados por pinguins de Humboldt e outros animais, incluindo vários tipos de pássaros, os mais numerosos moradores da reserva.

Das ilhas se extrai o guano, excrementos desses bichos usados como adubo, uma das principais fontes de riquezas do Peru no passado. É prudente fazer esse tour preparado com chapéu, boné ou capuz. As chances de se ganhar um “presente” caído dos céus é grande. Mas, se isso acontecer, leve na esportiva. Dizem até que dá sorte.

Nesse mesmo passeio, também observa-se de longe
O Candelabro
, desenho enigmático nas areias de uma montanha, no mesmo estilo das famosas linhas de Nazca, ao sul do país.

Já em terra firme, experimente a culinária local, tão gostosa quanto a de Lima. Prova disso é o
La Negra y El Blanco
, restaurante ideal para se curtir a paisagem do balneário. No jantar, a pedida é o sofisticado
Restaurante Ballestas
, localizado dentro do
Hotel Paracas Resort
. Falando nisso, a cidade também oferece hospedagens a preços módicos, caso do
Hotel Residencial Los Frayles
.

O dia seguinte o espera com as fascinantes paisagens da
Reserva Nacional de Paracas
, onde o cenário árido encontra o mar azul. Por falar em deserto, seguimos agora até
Huacachina
. O grande barato é o
passeio de buggy
pelas dunas, com paradas para fotos e rodadas de
sandboard
, o “surfe de areia”. Ao fim do percurso, vislumbre o belo oásis no meio da imensidão.

Depois da agitada temporada em Lima seguida por tour aventureiro em Paracas e Huacachina, chega a segunda e mais apoteótica parte da viagem pelo Peru. Próxima parada? O Vale Sagrado.

Continue a viagem

Arthur H. Herdy

Assim como 99% da população, este jornalista, há mais de 10 anos atuando em grandes veículos de comunicação da capital federal, detesta falsidade e ama viajar. Este último item, aliás, o faz gastar o que tem e o que não tem só para colocar o pé na estrada, mesmo com uma ligeira fobia de aviões. Seus destinos favoritos envolvem comida boa, agitos urbanos ou cenários paradisíacos – por isso, Buenos Aires, Nova York e o estado da Bahia estão sempre na lista de desejos.

Diretora-Executiva
Lilian Tahan
Editora-Executiva
Priscilla Borges
Editora-Chefe
Maria Eugênia
Coordenação
Olívia Meireles
Reportagem
Arthur H. Herdy
Revisão
Adriano Brasil
Edição de Arte
Gui Prímola
Design
Stela Woo
Moisés Dias
Tecnologia
Allan Rabelo
Saulo Marques
André Marques