Covid-19: médicos pedem que população evite piqueniques em áreas verdes

A temporada da seca chegou, mas o hábito de se reunir para um encontro com os amigos precisa ser adiado por conta do risco de contágio

atualizado 02/06/2020 13:47

Piquenique no gramadoEmy M

Os parques urbanos e ecológicos do Distrito Federal serão reabertos nesta quarta-feira (03/06) exclusivamente para exercícios, caminhadas, corridas, uso de bicicletas, patins e skates. Os piqueniques – tradicionais encontros ao ar livre no período da seca – não estão permitidos nos espaços de lazer e, por orientação de médicos, devem ser evitados em quaisquer áreas verdes da cidade.

No fim de semana que passou, já era possível ver grupos de amigos confraternizando sob o sol no Distrito Federal. Os infectologistas alertam que fazer um piquenique envolve sentar próximo de outras pessoas, compartilhar bebidas e comidas e abandonar, mesmo que temporariamente, o uso de máscaras. O comportamento, portanto, é considerado de risco por conta do cenário de crescimento da curva epidemiológica neste momento.

Cidades da Europa, Ásia e Estados Unidos já começaram o processo de reabertura dos parques urbanos, mas são locais que já passaram pelo pico da pandemia de Covid-19 e agora observam redução do número de casos. “Em várias partes do mundo, há uma abertura porque a queda da curva de contágio já é intensa. Aqui ainda estamos assistindo ao aumento do número de casos, por isso um encontro social deve estar absolutamente fora de cogitação”, alerta David Urbaez, infectologista do Laboratório Exame e diretor científico da Sociedade de Infectologia do DF.

“A imensa maioria da população ainda não foi infectada. Se você promove a circulação das pessoas, você tem um risco enorme de novos casos se somarem à curva que ainda está em ascensão“, completa o especialista.

A infectologista Ana Helena Germoglio, do Hospital Brasília, lembra que os encontros sociais fizeram diferença na curva de contágio logo após o Dia das Mães. “A gente sempre vê o reflexo do comportamento das pessoas em duas semanas. Depois do Dia das Mães, por exemplo, houve um aumento significativo de casos porque as pessoas tinham saído do isolamento”, diz a médica.

Os infectologistas entendem que, culturalmente, os seres humanos precisam de movimento e interação social, mas lembram que, para manter a curva achatada, é preciso fazer um sacrifício agora. “A pessoa que está isolada em casa tem necessidade de procurar novos lugares, principalmente quem tem crianças pequenas. O que estamos querendo evitar não são os encontros, mas sim o adoecimento”, explica Ana Helena.

Em último caso, a médica sugere que os piqueniques sejam feitos apenas entre as pessoas do mesmo convívio social, ou seja, as que moram na mesma casa. Ainda assim, medidas de segurança devem ser seguidas: procurar locais ao ar livre, de preferência em lugares com incidência de luz solar, e manter o distanciamento de outros grupos. Além disso, é necessário higienizar as mãos com frequência, evitar contato com superfícies e usar máscaras.

0

Mais lidas
Últimas notícias