Covid-19: receio de segunda onda força Pequim a ampliar isolamento

Novo surto registrado após contaminação em mercado faz autoridades aumentarem de 11 para 21 os bairros que terão de dar passo atrás

atualizado 15/06/2020 20:17

Na China, pessoas atravessam a rua usando máscaraYves Dean/Getty Images

Após o crescimento repentino de infectados pelo novo coronavírus, a China decidiu aumentar de 11 para 21 os bairros residenciais de Pequim que precisarão cumprir isolamento social. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (15/06).

O receio de uma segunda onda de contaminação de Covid-19 provocou a reação imediata das autoridades após o aparecimento de novos casos ligados ao mercado de frutos do mar Xinfadi. Desta forma, os bairros retornam ao nível nível 2 de emergência, com interdição temporária de espaços privados e locais de entretenimento público.

Segundo as autoridades de saúde da capital chinesa, Pequim completou 56 dias sem relatar novos casos de Covid-19 antes da primeira infecção relacionada ao mercado Xinfadi. Até agora, 79 casos ligados ao atacado de produtos alimentícios foram confirmados.

Além das medidas de bloqueio, o governo chinês orientou a população a evitar consumir salmão importado. Isso ocorre porque um importante mercado de alimento anunciou que o vírus foi localizado em uma tábua de corte usada por um vendedor de salmão. (Com informações da Agência Estado)

Últimas notícias