Relembre 8 enredos de empoderamento feminino em Game Of Thrones

A trama se distanciou da fórmula de mulheres sofrendo por amor e apostou em figuras emblemáticas lutando por seus objetivos

atualizado 14/04/2019 16:18

GAME OF THRONES / REPRODUÇÃO

O inverno está chegando e, com ele, o fim de Game of Thrones. A oitava e final temporada estreia neste domingo (14/4) e promete emoções fortes aos espectadores. Mas com tantas tramas entrelaçadas é fácil se esquecer de detalhes da narrativa.

Nas duas últimas temporadas, com foco na sétima, houve um grande destaque para o empoderamento feminino. A trama se distanciou da fórmula de mulheres sofrendo por amor e apostou em figuras emblemáticas tomando responsabilidade por suas vidas e lutando por seus objetivos.

Por isso, separamos oito histórias da série que mostram a força feminina
(o texto abaixo contém spoilers da série):

Se livrando das amarras sociais
Por muito tempo, Sansa Stark foi o exemplo perfeito de como uma “boa garota” deve se comportar. Na constante tentativa de se encaixar em Westeros, a jovem se fazia refém das vontades e fantasias dos outros. Contudo, sua fragilidade e suscetibilidade foram razões para que ela sobrevivesse em um mundo cruel. Prometida em casamento três vezes para manter alianças e procriar, Sansa aturou diversos abusos e humilhações.

Como uma forma de dizer basta ao passado submisso, ela assiste o abusivo marido Ramsay Bolton ser morto por lobos e se vira para comandar Winterfell, sua terra natal. Apesar de muito sofrimento, seu ponto alto é se fortalecer a ponto de adquirir um incrível conhecimento político e estratégico para se tornar uma boa líder e gestora como Lady de Winterfell.

 

Em busca do poder 
Uma das personagens mais estrategistas da série, Cersei Lannister foi muitas vezes humilhada pelo pai, só pelo fato de ser mulher. Porém, a tirana não fraquejou diante disso e mesmo sabendo que jamais estaria na linha sucessória do trono, sempre se considerou capaz de herdar o poder do reinado.

A leoa não mediu esforços para vencer seus inimigos e mostrou que pode reinar em um lugar tanto quanto homens. Para tanto, tirou o próprio marido, Robert Baratheon, de seu caminho e passou a administrar o Pequeno Conselho. Mesmo eliminando, seus oponentes, a loira é também uma mãe que ama e quer proteger seus filhos a qualquer custo.

 

Decidindo seu lugar no mundo
O sonho de Brienne de Tarth sempre foi se tornar um cavaleiro. Habilidosa com a espada, ela era recriminada por seus trejeitos e feições pouco femininas. Apesar de não ser socialmente bem-vista como uma mulher guerreira, a competência de Brienne faz com que ela consiga uma posição no exército de Renly Baratheon.

Indo contra as expectativas sociais, Brienne embarca em várias aventuras e demonstra seu valor como guerreira, firme na crença de que deve ser honrada e cumprir suas promessas. Sem se preocupar com os outros acham certo, ela passa grande parte da sua história tentando proteger e lutando pelo bem comum.

 

Coragem e ambição a seu favor 
Margaery Tyrell sabe usar sua personalidade e beleza como ninguém. Os homens se atraem fácil pelo seu sorriso tímido e doce. Ela é tida como uma mulher ambiciosa, poderosa e segura de si. A personagem já mostrou que não tem medo de pressão ou opressão e usa a sociedade patriarcal a seu favor.

Sem medo de arriscar, a jovem nunca desistiu de ser rainha e conseguiu o feito em seu terceiro casamento com o personagem Tommen. Apesar de não ter tido um final feliz, Margaery provou que soube jogar o jogo dos tronos com inteligência e coragem.

 

Temor dos homens 
Conhecida como a sacerdotista vermelha, Melisandre é temida pela maioria dos servos e não acredita em meio termo, apenas no bem ou no mal. A personagem gosta de mostrar que suas habilidades mágicas são maiores do que realmente são.

A manipulação é uma característica de destaque em sua personalidade para conseguir realizar seus desejos. Sempre com vestimentas vermelhas, a personagem tem visões proféticas saídas do fogo e uma posição militante contra as outras religiões de Westeros.

 

Tornando-se sua própria heroína 
A trajetória de empoderamento da jovem Arya Stark começou já no primeiro episódio da série. Com temperamento forte, a garota já estava disposta a quebrar vários padrões para ser quem ela realmente é: uma poderosa guerreira.

Apesar de ser a personagem principal feminina mais jovem, ela foi capaz de sobreviver a situações extremamente hostis e brutais, cercada de preconceito. Ela mostrou que não precisa de nenhum homem para salvá-la, se tornando um das pessoas mais espertas e versáteis da trama.

 

Dona da sua liberdade 
Há uma personagem que ganhou muito destaque com o avanço da série. Missandei é uma ex-escrava que, com sua inteligência e responsabilidade, garantiu um lugar no conselho de Daenerys, bem como a amizade dela.

Ela acredita que é livre para partir quando quiser, mas permanece por acreditar na possibilidade de um reino mais justo. A personagem consegue ser sagaz em diversos assuntos e sabe falar diversas línguas, e usa isso a seu favor.

 

Libertando mulheres reprimidas
Para finalizar, não poderia faltar a Mãe dos Dragões, Nascida da Tormenta, Khaleesi do Grande Mar da Grama, a Não-Queimada e a Quebradora de Correntes: Daenerys Targaryen. Uma das personagens mais populares do seriado, ela é um ícone de desenvolvimento pessoal e força feminina. Começando como um moça tímida, frágil e alvo de abusos físicos e verbais, Daenerys se apodera do controle em um mundo predominantemente masculino.

Entre os momentos de destaque, ela salva mulheres que eram estupradas durante um ataque Dothraki em uma aldeia e liberta escravos (Lembrando que a própria Daenerys foi estuprada pelo, então, marido Khal Drogo). Sua trajetória está ligada ao empoderamento e o encontro da sua autoestima, importantes elementos do movimento feminista, apesar de a todo momento ela se separar como classe superior.

Mais lidas
Últimas notícias