“Não venham pra Chapada”, pedem moradores e empresários locais no Instagram

Com taxa significativa de idosos e sem estrutura hospitalar para lidar com o novo coronavírus, Chapada está fechada para turismo

atualizado 09/06/2020 20:06

Não venham para a ChapadaReprodução/Instagram

“Não venham para a Chapada”. O apelo de moradores, empresários e amantes da Chapada dos Veadeiros viralizou nas redes sociais após a cidade de Alto Paraíso, um dos principais destinos turísticos da região, registrar três casos do novo coronavírus na última semana.

Na mensagem, publicada originalmente no perfil Chapada dos Veadeiros Brasil, dedicada ao turismo consciente e à preservação do Cerrado, os autores também explicam a vulnerabilidade do local diante da pandemia.

“Por enquanto, até segunda ordem, o pedido é que não venham para cá. É difícil essa afirmação pela quantidade de pessoas que dependem do turismo neste nosso paraíso. No entanto, passamos por uma fase sem precedentes. Os municípios da região tem muitos idosos. Não tem UTI e respiradores para atender a demanda. A população local está muito receosa por uma abertura equivocada”, explica a nota.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Estamos recebendo muitas perguntas sobre quando a Chapada dos Veadeiros vai reabrir.Por enquanto até segunda ordem o pedido é que não venham pra cá. É difícil essa afirmação pela quantidade de pessoas que dependem do turismo nesse nosso paraíso. No entanto, passamos por uma fase sem precedentes. Os municípios da região tem muitos idosos. Não tem UTI e respiradores para atender a demanda. A população local está muito receosa por uma abertura equivocada. Aguardemos a serenidade nas decisões governamentais e quando liberarem as visitações aos santuários, que todos tenham consciência com os moradores locais, respeitando todos procedimentos necessários. #fiqueemcasa #vilasaojorge #altoparaisodegoias #colinas #teresinadegoias #cavalcante #saojoaodaalianca

Uma publicação compartilhada por Chapada dos Veadeiros – Brasil (@chapadadosveadeiros) em

Turistas brasilienses e famosos ignoram isolamento na Chapada

Conforme o Metrópoles noticiou, apesar do apelo dos moradores e de decretos municipais que impedem atividades turísticas nos municípios da Chapada, muita gente tem tentado furar o isolamento na região. A maioria dos carros parados nas barreiras sanitárias montadas pelas prefeituras é de brasilienses. A orientação, quando não estão viajando a trabalho, é de que retornem.

Além de turistas de Brasília, as cidades de Cavalcante e Alto Paraíso, além do vilarejo de São Jorge, têm sido procuradas por famosos.

É o caso do ator Henri Castelli, flagrado em uma barreira sanitária em São João d’Aliança, no portal da Chapada dos Veadeiros. Segundo informações da prefeitura de Alto Paraíso, o ator alegou que estava indo realizar um trabalho e seguiu para o vilarejo de São Jorge.

0

Procurada, a assessoria de imprensa do ator informou que Castelli “estava em Goiânia fazendo um trabalho social’. Depois, “ele foi a Cavalcante, para a fazenda de um amigo que está vazia, fechada, fotografar para essa ação”. A assessoria não explicou do que se tratava a campanha.

Em Goiânia, Henri foi fotografado com vários amigos em um churrasco, ignorando a distância mínima recomendada e sem usar máscara de proteção.

Moradores também relataram ter visto o cantor Mateus, da dupla com Jorge, na região. O sertanejo até postou um clique em uma famosa casa de vidro, disponível para aluguel na internet.

Já a esposa de Mateus, a médica Marcella Barra, publicou o registro de uma visita a uma cachoeira, localizada próximo à propriedade. Vale lembrar que tanto os atrativos naturais quanto as pousadas e casas de temporada estão proibidos de funcionar.

Metrópoles procurou a assessoria de imprensa da dupla para questionar quando as fotos foram tiradas e qual o motivo da visita do casal, mas não obteve retorno até o fechamento da matéria.

Opinião

Gleice Gonçalves Cordeiro, dona de uma pousada em frente à casa que aparece na foto de Mateus, lamentou que influenciadores e empresários continuem ignorando as medidas. De acordo com ela, a atitude acaba gerando uma condição desigual e estimulando a ida de mais pessoas à Chapada.

“Não acho perigoso a hospedagem. Ele está com a família e isolado, mas é triste ver que algumas pousadas e hotéis continuam abertas sem intervenção e intactas, enquanto outras estão fechadas e sob ameaça de prisão do turista e do anfitrião. Sabemos que as hospedagens continuam e tem pousadas com condições de hospedar de forma segura, mas, infelizmente, essa realidade não atinge outras pessoas.”

Apesar de reconhecerem que não há como suportar a situação por muito tempo do ponto de vista econômico, o prefeito da cidade, Martinho Mendes, afirma não ter como reverter a limitação causada pela estrutura hospitalar. Assim, todos os estabelecimentos que não são essenciais permanecerão fechados por tempo indeterminado.

“Compreendo a situação dos empresários, muitos negócios afundando, mas o que nos preocupa é que não temos nenhuma estrutura na área da saúde para pleitearmos a abertura local agora, apesar de o atendimento pelo SUS continuar acontecendo. O estado também não tem nenhuma estrutura regional que possa assegurar que nosso cidadão chegue com vida a capital em caso de uma eventual remoção”, frisou o prefeito da cidade em entrevista ao portal.

Últimas notícias